Quem nunca errou, não é mesmo? Pois é, o psicólogo Samuel West resolveu refletir sobre os erros tecnológicos da humanidade e reuniu 70 inovações que fracassaram em um museu na Suécia.

Em entrevista à revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, Samuel West relatou que sua ideia surgiu do seu trabalho como pesquisador na área de psicologia organizacional há sete anos e percebia que as companhias só falavam sobre os seus sucessos por não saber lidar com os seus erros.

Então, o museu foi a forma que encontrou para estimular as pessoas a verem seus erros como uma oportunidade de aprendizado, e não como uma tragédia.
Curioso?

Confira alguns dos fracassos expostos no museu:

erros tecnológicos

Apple Newton (1993 – 1998)

Esse dispositivo da Apple era um “message pad”, quase um palm-top, e custava US$ 699 – valor que corresponderia, ajustando pela inflação, a US$ 1.178 atualmente. Fez pouco sucesso, mas serviu como inspiração para a criação dos iPhones e iPads.

Google Glass (2013-2015)

Talvez o Google ainda tenha planos para seus óculos inteligentes, mas, por enquanto, a curadoria do museu sueco acredita que o produto descontinuado em 2015 seja apenas mais uma má ideia – ou má execução. Será?

erros tecnológicos
erros tecnológicos

Nokia N-Gage (2003-2005)

Criado para desafiar o Game Boy da Nintendo, as críticas ao produto eram principalmente sobre o seu design e disposição dos botões.

Perfume Harley Davidson (1996)

Apelidado de “Hot Road”, esse perfume da Harley-Davidson com notas amadeiradas e leve cheiro de tabaco não fez muito sucesso entre consumidores.

erros tecnológicos
erros tecnológicos

Kodak DC40 (1995)

Não é segredo que a Kodak não soube se aproveitar da revolução digital. Em 2012, a empresa faliu e levou consigo um lançamento fraco de sua câmera digital, a DC40.

Sony Betamax (anos 1970)

Esse aparelho prometia ser melhor e mais rápido que o gravador de videocassete, mas não cumpriu.

erros tecnológicos

Fontes: Estadão e Gazeta do Povo