Chegou a hora de decidir qual faculdade cursar? Entre os mais de 30 tipos de Engenharia, pode ficar mesmo difícil de escolher. Conheça aqui alguns dos ramos mais aquecidos e os salários base, para te ajudar nessa hora!

Os campos de Engenharia que mais crescem, em virtude das necessidades de mercado, são a Engenharia de Computação, ligada à inovação e à tecnologia; a Engenharia de Telecomunicações, impulsionada pela alta demanda em telefonia móvel, tráfego de dados e pelas metas traçadas pelo governo para melhorar a qualidade do serviço; a Engenharia de Controle e Automação, que combina conhecimentos de mecânica, elétrica e computação para automatizar processos e integrar eletronicamente máquinas e ferramentas; e também aquelas modalidades vinculadas à Biotecnologia, uma área interdisciplinar fortemente voltada para a pesquisa científica e tecnológica, com aplicação na indústria farmacêutica, nos laboratórios de análises, na agricultura, na indústria alimentícia e no meio ambiente.

Outra área que tem demandado profissionais é a geração e o consumo de energia, tais como Engenharia Elétrica e Engenharia de Energia, tanto proveniente de hidrelétricas quanto as alternativas eólica, solar e biocombustível.

Multidisciplinares

Habilidades multidisciplinares também são uma tendência. Cada vez mais os engenheiros são chamados a trabalhar em conjunto com equipes de outras áreas. É o caso do Engenheiro Físico, uma profissão nova no Brasil (tem cerca de uma década), que agrega conhecimentos de Física, Matemática e Engenharia de Materiais. O mesmo ocorre com a Engenharia Biomédica, que surgiu da necessidade de aliar os conhecimentos da Engenharia à área de Saúde. E surgem graduações com enfoques inovadores e currículos com conteúdo de diferentes setores, como a Engenharia da Inovação e a Engenharia de Sistemas.

Salários

Segundo o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (CREA-SP), o salário mínimo de um engenheiro é:

– 6 salários-mínimos (R$ 5.280,00) – para 6 horas diárias

– 7,25 salários mínimos (R$ 6.380,00) – para 7 horas diárias

– 8,5 salários mínimos (R$ 7.480,00) – para 8 horas diárias

(salário-mínimo de R$ 880,00, em 1/1/2016).

Fonte